domingo, 11 de agosto de 2013

Ser ou não ser?

Eu sou louca por palavras.
Mesmo quando não sabia nem ler ou escrever eu já amava cada letra que existia nas páginas em que eu olhava sem nada entender.Encontrava uma caneta qualquer, um pedaço de folha rasgado e começava a rabiscar como se tivesse escrevendo uma carta, uma história ou passando uma lição para meus alunos inanimados ( leia-se bonecas e ursos).
O tempo passou e eu não tive maiores dificuldades em aprender a ler e escrever, ao contrário, aprendi rápido o suficiente para ler livros em poucos dias, fiz poucas aulas de caligrafia e a minha letra tomava forma aos poucos mas sempre legível o suficiente aos olhos das pessoas que me ensinaram e trouxeram o conhecimento até a mim, os professores.
Eu sonhei em ser muitas coisas, comissária de bordo para poder voar, cantora, apresentadora de TV, produtora de moda, estilista, pintora, artista...
Mas eu sabia que não iria importar o que eu ia escolher e o que eu seria, eu queria que as pessoas pudessem ler o que eu escrevia, eu queria que pudessem me ver além do que eu mostro ser.

Muitos pensaram que eu seria professora, admiro muito a profissão mas tenho a total certeza que não é pra mim.
Não é questão de paciência, paciência todo mundo necessita ter em vários momentos e situações, tudo é questão de dom.

Quando eu aprendi a fazer doces, eu gostei muito de fazer.Fui procurar receitas e fiz certas mudanças e tudo isso porque aquilo me fazia feliz. Mesmo que no fim tudo seja comercializado, eu não sinto que estou trabalhando, eu apenas me sinto bem, simples assim.
Por fim eu me tornei a pessoa que é totalmente contra estudar, aprender e no fim arrumar um emprego, quem pode ser feliz nessa vida vivendo com base no que acontece em um emprego?
Você tem que ser feliz, trabalhar sim, ter o seu conforto, dinheiro, bem estar, claro!
E tudo isso pode acontecer se você fizer aquilo que ama, dedicação e perseverança leva exatamente ao sucesso, pessoal e profissional.
Por fim, hoje sei que vou escrever pro resto da vida, eu posso estar a frente de qualquer panela de brigadeiro ( que eu amo muito) mas jamais poderei deixar de fazer com que a minha curiosidade e a minha vontade de dividir isso com o mundo desapareça de mim.
Eu ouvi muitas vezes que não poderia ser a maioria das coisas que sonhei, sendo uma criança o impacto de ouvir isso é muito maior do que os adultos cheios de preconceitos e problemas podem imaginar.
Tenham em mente que o fato de você ser quieto não tira de você o direito de ter voz, se você fala demais não quer dizer que você não pensa o suficiente para ser um cientista.

Desculpe você querida pessoa que aceita conceitos prontos de uma sociedade
que enxerga o diferente e novo como errado, você não me atinge.

Imagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário