quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Você não me conhece



   Você acha que me conhece, mas eu deixo você conhecer o que eu acho seguro.

  Eu tremo de medo, eu choro escondido, eu sinto o estômago revirar quando estou nervosa, eu sou a pessoa mais dramática e ao mesmo tempo mais concentrada.

  E quando minhas mãos tocam umas nas outras minha oração tem o poder suficiente para me deixar em paz e me fazer acreditar sempre em um amanhã melhor e acreditar acima de tudo que sim, eu sou boa o quanto eu posso ser.

  Então lhe digo uma coisa: não me julgue.

  Olhe bem para dentro de você, do que você precisa para se lembrar mais de você do que de mim? eu sou assim tão importante?

  Eu tenho olhos que seguem o voo dos pássaros em um dia normal, eu sou atenta ao que há de mais simples e bonito. Lembro bem daquela pintura escondida naquele túnel no centro da cidade, de alguém que eu não conheço, talvez muitos passem ali e nunca repararam.

  Talvez esse seja o meu maior valor, eu presto atenção em coisas que não atingem e fazem mal a ninguém. Quantos erros cada um carrega, cada um tem um peso e é difícil para todo mundo carregar isso tudo por ruas íngremes.

  Eu não sou simpática a todos porque eu não aguento o tribunal dos santos advogados da vida. Minha mente é livre e pede somente a compreensão.

  Mais amor, é o que pede essa cidade.

  Eu vou estar no chão e você não vai saber, quando eu estiver no alto você também não vai saber, só existe um que sabe tudo, exatamente tudo o que passa em minha vida e eu não preciso apresenta-lo a ninguém.

  Cada um tem a fé que decide ter.


Nenhum comentário:

Postar um comentário